quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

UM RELATO TRISTE – BRIGA DE GENTE GRANDE.

Gazeta de Notícias - Augusto Monteiro Rodrigues
Estive na Prefeitura Municipal do Crato para assistir à tão esperada Coletiva e, confesso, saí triste, decepcionado, humilhado com tanta sacanagem, com tanta corrupção. E pensar que, por incrível que possa parecer, o nosso Crato combalido, trôpego e de cofres vazios ainda consegue resistir nesta UTI vergonhosa que insistem em dizer que ela não existe e, evidente, nenhum paciente está nela. Os argumentos dos corruptos quase sempre estão recheados de substantivos que no dia a dia estão distantes deles – caráter, honradez , dignidade e honestidade.Realmente, foi confirmado o que nós já sabíamos – havia marajás, funcionários fantasmas, caos nas secretarias, SAAEC com problemas, contas raspadas (havia duas contas que somados os valores delas davam em torno de setecentos reais) e uma dívida astronômica em torno de trinta e cinco milhões e quinhentos mil reais.
Terminada a Coletiva, já se vê no Blog do Crato, o ex-candidato rebatendo e desmentindo que não era essa quantia e que blá, blá, blá, blá...
Daqui a pouco os assessores ou o Prefeito Ronaldo virá a público para dizer que não é bem assim o que o ex-prefeito falou, depois o ex-prefeito re-rebaterá e blá, blá, blá, blá...
Para nós cidadãos, seria bom que não entrássemos nesse disse-que-me-disse porque para nós está muito claro – houve corrupção sim e da grossa. Saber se a quantia foi essa ou não foi, se existiam marajás ou não e blá-blá-blá-blá... não nos interessa mais.
A nossa prova da corrupção, já a temos há bastante tempo. É o canal que não deixa de ser o que ele é, era uma secretaria de saúde que não funcionava e jogava o cidadão pra lá e pra cá. Era um remédio controlado que alguém tinha e só ele distribuía. Era uma farra descontrolada com comidas dos mais diferentes paladares e bebidas caras. Eram os buracos que se eternizavam, eram as diárias constantes para encher bolsos desonestos, era um festival de coisas indecentes.
O Crato, já sabemos, é uma paciente que agoniza com o corpo crivado de balas. Mostrar quem detonou a arma e a sua maldade é importante para a sociedade, porém o mais importante, agora, é salvar o paciente – nossa cidade.
O resto é discussão de gente grande, o resto é caso de polícia, o resto é caso de justiça, o resto é caso de cadeia, o resto é o resto e nós não somos “resto”.
Devemos pressionar para que a cidade seja reconstruída e que os samueles não voltem mais.

Prof. Augusto
UM RELATO TRISTE – BRIGA DE GENTE GRANDE.

Estive na Prefeitura Municipal do Crato para assistir à tão esperada Coletiva e, confesso, saí triste, decepcionado, humilhado com tanta sacanagem, com tanta corrupção. E pensar que, por incrível que possa parecer, o nosso Crato combalido, trôpego e de cofres vazios ainda consegue resistir nesta UTI vergonhosa que insistem em dizer que ela não existe e, evidente, nenhum paciente está nela. Os argumentos dos corruptos quase sempre estão recheados de substantivos que no dia a dia estão distantes deles – caráter, honradez , dignidade e honestidade.
Realmente, foi confirmado o que nós já sabíamos – havia marajás, funcionários fantasmas, caos nas secretarias, SAAEC com problemas, contas raspadas (havia duas contas que somados os valores delas davam em torno de setecentos reais) e uma dívida astronômica em torno de trinta e cinco milhões e quinhentos mil reais.
Terminada a Coletiva, já se vê no Blog do Crato, o ex-candidato rebatendo e desmentindo que não era essa quantia e que blá, blá, blá, blá...
Daqui a pouco os assessores ou o Prefeito Ronaldo virá a público para dizer que não é bem assim o que o ex-prefeito falou, depois o ex-prefeito re-rebaterá e blá, blá, blá, blá...
Para nós cidadãos, seria bom que não entrássemos nesse disse-que-me-disse porque para nós está muito claro – houve corrupção sim e da grossa. Saber se a quantia foi essa ou não foi, se existiam marajás ou não e blá-blá-blá-blá... não nos interessa mais.
A nossa prova da corrupção, já a temos há bastante tempo. É o canal que não deixa de ser o que ele é, era uma secretaria de saúde que não funcionava e jogava o cidadão pra lá e pra cá. Era um remédio controlado que alguém tinha e só ele distribuía. Era uma farra descontrolada com comidas dos mais diferentes paladares e bebidas caras. Eram os buracos que se eternizavam, eram as diárias constantes para encher bolsos desonestos, era um festival de coisas indecentes.
O Crato, já sabemos, é uma paciente que agoniza com o corpo crivado de balas. Mostrar quem detonou a arma e a sua maldade é importante para a sociedade, porém o mais importante, agora, é salvar o paciente – nossa cidade.
O resto é discussão de gente grande, o resto é caso de polícia, o resto é caso de justiça, o resto é caso de cadeia, o resto é o resto e nós não somos “resto”.
Devemos pressionar para que a cidade seja reconstruída e que os samueles não voltem mais.

Prof. @[100000177668585:2048:Augusto]
Postar um comentário

Títulos mais acessados