sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Arquidiocese toma conhecimento da situação financeira da Diocese do Crato

Esta Gazeta de Notícias vem batendo na mesma tecla, alertando os católicos do Crato que a Diocese vem atravessando maus momentos pela ingerência do atual bispo dom Fernando Panico. A Diocese do Crato está quebrada, apesar de seu abastado patrimônio. Dívidas se acumulam ocasionando sua inadimplência junto a inúmeros credores. Há registros de mau pagadora nos órgãos reguladores de crédito.
Bispo Dom Fernando um gentleman
É inconcebível uma consagrada e secular instituição religiosa, como a igreja católica, se caracterizar como fraudulenta e dissoluta.
Já se disse, em forma de chamar a atenção, que o prelado Fernando Panico não tinha prumo no comando da Diocese do Crato, isso desde sua chegada ao Cariri. A reportagem da Gazeta de Notícias esteve, num primeiro momento, com o recém-chegado bispo e numa conversa informal dom Fernando mostrou-se autoritário e determinado a fazer mudanças radicais no acervo diocesano, principalmente nos estorvos que dificultavam sua senda.
Desde então, de forma ditatorial, vem oprimindo pessoas, removendo e descartados padres e velhos colaboradores da igreja, e criando estratégias para locupletar os cofres da Diocese, onde o fluxo de entrada de caixa não vem suprindo a demanda da saída.
Diante dos fatos a Arquidiocese de Fortaleza vem avaliando a conduta de Dom Panico à frente do bispado no sul do Ceará. A Gazeta de Notícias foi informada que já existem determinações para um rígido controle nas finanças da Diocese do Crato.
Com que e onde um bispo gasta tanta, com dispêndios de valores que ultrapassam o poder de pagamento da igreja? É uma incógnita, já que não se tem notícias de investimentos em obras e construções no âmbito da Diocese do Crato.
Apessoado, educado, gentil, cordial e sorridente, no entanto desastroso em suas determinantes posições. A trajetória dissoluta do prelado italiano tanto pela diocese de Oueiras/Floriano no Piauí, como pela do Crato é pautada de insipidez e revés. Há muito mais fatos negativos que virtuosos inerentes a qualquer purpurado.
Dom Panico entra em conflito com dois pecados capitais: avareza que é o apego excessivo e descontrolado pelos bens materiais e pelo dinheiro, priorizando-os e deixando Deus em segundo plano, e pela luxúria que é o desejo passional e egoísta por todo o prazer material e sensitivo, deixando-se dominar pelas paixões. Dinheiro é importante para o prelado do Crato, mesmo que para consegui-lo tenha que sobrepor os bons princípios éticos e de escrúpulos.
O jornalista Luiz José dos Santos, diretor editor desta Gazeta de Notícias, foi ameaçado de processo pelo novo chanceler diocesano Armando Rafael, sob a acusação de chantagem implícita com o bispo diocesano. Ameaça que não foi levada a sério, por entender o jornalista que Dom Panico pode ter suas excentricidades, mas fazer afirmações falsas, que é uma recomendação dos dez mandamentos: Não dirás falso testemunho contra o teu próximo, é improvável.
De fonte oficiosa da Arquidiocese de Fortaleza, foi segredado ao jornalista Luiz José dos Santos, mas para jornalista não há segredos, de que, até abril ou maio de 2013, poderá haver mudanças na Diocese do Crato. Mas como tudo na Igreja Católica é demorada, haja vista a canonização de um santo, essa previsão poderá não ocorrer.
O relato de fatos nessa ordem, divulgados em sequencia por esta Gazeta de Notícias, tem levado a muitos carolas a torcerem o nariz para o pessoal deste jornal. Mas o tempo mostrará seus enganos e conceitos em referência às intempestividades do bispo italiano Fernando Panico.
Postar um comentário

Títulos mais acessados